Segura essa Bola de Fogo

Segura essa Bola de Fogo
Óticas Chili Beans Rua Santos Dumont telefones para contato: 86 3276 1656 ou pelo WhatsApp: 86 8819 3654

Nesses dias de B R Ó BRO, nos dias que não chove (igual ontem de madrugada), o calor é de lascar e bem pior que o Bola de Fogo e de irritar e para piorar o que já está ruim, a conta de energia elétrica está igual a gasolina: para o alto e avante!

Mas se não fosse esse pequeno detalhe, iríamos agradecer que em 1902, Willis Carrier (eu te amo), que nessa época tinha 25 anos e era formado pela Universidade de Cornell, nos EUA, inventou um babado mecânico para condicionar o ar. O controle do clima finalmente foi colocado em prática, verdade verdadeira, para resolver o problema de uma empresa de uma empresa de impressão em dias quentes de Nova York, onde foi feita a primeira instalação por Carrier.

E o babado ficava bom era para botar para funcionar: Carrier teorizou que poderia retirar a umidade da fábrica através de resfriamento do ar por dutos artificialmente resfriados (mas não era COVID, não e nem gripe. É outro babado. Fiquem tranquilos). Esse mecanismo, que controlava a temperatura e umidade, foi o primeiro exemplo de condicionamento de ar contínuo por processo mecânico (era um gênio mesmo). Desse modo, a indústria têxtil, que também tinha grande necessidade de controle ambiental, foi o primeiro grande mercado para o condicionador de ar.

Mas foi em 1906 que surgiu o termo “ar condicionado”, com Stuart Cramer. O também norte – americano criou o seu próprio aparelho a fim de explorar formas de adicionar umidade ao ar em sua fábrica de tecidos, usando – o em um pedido de patente efetuado naquele ano. Carrier acabou adotando também o termo e incorporou –o no nome de sua fábrica.

Os primeiros aparelhos de ar condicionado, assim como os frigoríficos, empregavam gases tóxicos ou inflamáveis (se a carne não tivesse contaminada, ela explodia) como amônia, o clorometano e o propano, que poderia resultar em acidentes fatais se houvesse um vazamento.

A primeira aplicação de residencial do ar condicionado foi feita numa mansão de Minneapolis, no ano de 1914.

No mesmo ano, Carrier instalou o primeiro condicionador de ar hospitalar, no Allegheby General Hospital de Pittsburg.

Em 1919, o cinema Riviera, em Chicago, convidada os espectadores para sua ‘fábrica de congelamento’.

O aparelho tece seu ápice de 1922, no Grauman’s Metropolitan Theatre, em Los Angeles, e tornou – se uma peça fundamental para o crescimento da indústria cinematográfica, pois nos meses de verão, a frequência caia muito, levando ao fechamento de várias salas de cinema.

A Câmara dos Deputados dos EUA foi climatizada em 1928, e o Senado Americano, em 1929 (no ano da quebra da Bolsa de Nova York).

Além disso, no final da década, a Carrier já vendia um modelo caseiro, mas a Grande Depressão, literalmente, esfriou os negócios.

Em 1930, Willis Carrier desenvolveu um sistema que viabilizou o ar condicionado em arranha-céus. A distribuição do ar em alta velocidade através de dutos ‘Weathermaster’, criada em 1939, economizava mais espaço do que os sistemas utilizados na época. Nesse mesmo ano os sistemas HVAC apareceram nos automóveis; caros, enormes e relativamente ineficazes.

A retomada do crescimento do setor levou ao desenvolvimento da primeira produção em série de unidades centrais de ar condicionado para residências, feita em 1952 pela Carrier (é um gênio mesmo). O estoque completo foi vendido em apenas duas semanas, tornando mais comum a utilização do aparelho nas residências.

Continuando a falar do ar condicionado (meu melhor amigo em qualquer época), além disso, em 1937, o primeiro compressor rotativo foi introduzido, reduzindo o tamanho do aparelho e tornando – o mais leve e silencioso.

É a partir da década de 80 que os sistemas de ar condicionado automotivo se tornam acessíveis (o primeiro daqui de casa foi um Scort Prata), pequenos e banais; sendo facilmente instalado nos veículos e tirando o aparelho da lista de itens de luxo.

Em 2003, por exemplo, segundo dados da Abrava, 60% dos aparelhos residenciais no Brasil eram de janela e 40% split.

Nesses últimos anos, o split segue o status de ‘queridinho’ da população, considerando que 72% das residências e empreendimento com ar condicionado utilizam o split.

Fonte: www.cemeq.ufg.br

Amanhã a gente continua porque essa já tá longo demais, aí ninguém vai ler que nosso blog tem um espaço especial para a divulgação, propaganda, publicidade, como quiser chamar, de seu empreendimento, para que você possa aumentar suas vendas em qualquer época do ano.

Até amanhã!

Bila Cavalcante

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao Topo