Uma fofoca pra começar bem a semana

Uma fofoca pra começar bem a semana

Como todos já sabem, estou fazendo um tratamento odontológico e estou sofrendo pra dedeu, sem conseguir nem abrir a boca direito, ou então minhas amigas, as ligas, se quebram e pra botar, dói até a alma, mas só a dessa geração mesmo. Aí, dia desses, fui me olhar no espelho, e tava lá todo meu rosto inchado.

Então, imediatamente, lembrei do tema da nossa coluna de hoje: o Fofão. Então, puxa a cadeira, que lá vem conversa:

Em meados dos anos 1980, a Mimo, fabricante de brinquedos infantis, percebeu a fama de um personagem carismático e decidiu produzir um boneco dele. Se tratava do Fofão, um ser bochechudo amado pelos telespectadores do Balão Mágico.

Por estar em alta na época, o brinquedo logo fez sucesso e Fofão ganhou uma segunda versão, o Fofãozinho. No entanto, lendas urbanas e mitos foram surgindo sobre a primeira criação da Mimo, tirando o sono de pais e crianças em todo o país.

Segundo se contava na época, era possível encontrar um punhal negro dentro do corpo do boneco, entre seus preenchimentos. Logo, o povo conectou a presença do objeto à um ser maligno. Assim, pessoas passaram a acreditar que o boneco era, de fato, do mal.

Diversas versões da lenda do Fofão foram disseminadas pelo país, mas, em todas, o boneco usaria o punhal para fazer o mal ou matar crianças à noite. Na primeira delas, quem gerou todo o alvoroço, fechando um acordo com o Diabo, teria sido o ator que atuava como o Fofão, Orival Pessini.

Nessa versão, Orival teria feito um pacto com o demônio, procurando fama e dinheiro. Em troca, ele faria com que o Diabo entrasse na casa de milhares de pessoas. Algo parecido foi dito acerca da própria Mimo, que, através do Fofão, queria levar o mal para dentro da casa dos brasileiros.

Para que isso não acontecesse, a lenda sugeria que o boneco — e a adaga dentro dele — fossem queimados, acabando com a maldição. Para algumas pessoas, até mesmo o programa do personagem continha mensagens subliminares que incitavam violência e crimes.

Revelação

Para acabar com as lendas e com as dúvidas que ainda existiam, Deusenir Prieto, gerente de desenvolvimentos na Mimo, falou à Mundo Estranho em 2015. Segundo ele, que ajudou a criar e desenhar a forma do boneco, a suposta adaga entre as microesferas de isopor que preenchiam o Fofão era sua sustentação.

Foi aí que a adaga preta foi criada. Mas ela nunca foi afiada, metálica ou cortante, como a arma seria, se fosse real.

Por ser como a coluna vertebral do boneco, a estrutura ficava por dentro do corpo rechonchudo. Assim, caso o boneco fosse apertado, um formato pontiagudo poderia ser sentido entre o preenchimento. Tal lenda fez com que, na época, muitos bonecos fossem cortados no tórax e até mesmo queimados, como era sugerido.

Fonte:www.aventurasnahistoria.uol.com.br

E lembrando aos queridos leitores (novos e de sempre) que temos nosso espaço especial para que você possa anunciar seu empreendimento aqui no nosso Blog da Bila. O contato pode ser feito através do (86) 98122 1866, pelas redes sociais @bilacavalcante ou através do e-mail [email protected]

Lembre-se sempre que propaganda é alma do negócio e quem não é visto, não é lembrado. Então faça sua propaganda no Blog da Bila e seja bem lembrado, aumentando sua clientela e renda.

Bila Cavalcante

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao Topo